Clever Web

Blog

Saiba como fazer uma análise SWOT do seu negócio

Saiba como fazer uma análise SWOT do seu negócio

Por Mauro Lacerda | Dicas | 22 Views

A análise SWOT é uma das mais populares ferramentas de marketing e serve para o planejamento estratégico de empresas e projetos de variados tipos. 

A sigla SWOT significa Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). Por isso, ela também é conhecida como Análise FOFA.

Ela nada mais é do que uma avaliação de cenários, antes de tirar um projeto do papel, com o objetivo de que fazer com que ele tenha mais chances de sucesso.

Entretanto, para compreender melhor o assunto, basta pensar como a análise SWOT poderia ser aplicada em sua vida pessoal. 

Para se ter uma ideia, ela pode ser aplicada antes de uma decisão importante, que depende de uma análise mais aprofundada.

Nesses casos, diante da necessidade de mudar de cidade ou de emprego, por exemplo, a maioria das pessoas avalia os próprios interesses e objetivos, além de analisar a própria situação de vida. 

Elas também reúnem a maior quantidade possível de informações sobre possibilidades, pesando os prós e contras da decisão, o que possibilita uma escolha mais assertiva.

Quem assume essa postura diante das decisões está, mesmo que inconscientemente, adotando a lógica da análise SWOT. 

A diferença é que essa análise não é feita tendo como base um negócio e nem leva em conta um método para a organização das ideias.

O que é Análise SWOT?

A análise SWOT, auxilia na análise de situações para o planejamento estratégico da gestão de projetos. 

Com isso, a ferramenta proporciona um diagnóstico completo da situação em que a empresa se encontra, bem como do ambiente ao seu redor, ajudando-a a correr menos riscos e aproveitar as oportunidades.

Acredita-se que o método foi criado pelo consultor de empresas Albert S. Humphrey, na década de 1960, para um projeto do instituto de pesquisa de Stanford.

Anos após a criação, o método já passou por diversas reformulações e o ideal é que se adapte às necessidades de cada projeto. 

De qualquer forma, a análise SWOT se tornou muito popular, principalmente pela simplicidade de facilidade de aplicar e as vantagens que agrega ao planejamento.

A sigla significa “Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças”, como mencionado, e as palavras se referem às análises que precisam ser feitas.

É importante ressaltar que as forças e fraquezas representam uma análise interna. Em outras palavras, pontos positivos e negativos da empresa ou projeto analisado. 

Os fatores, na maior parte das vezes, estão sob o controle das empresas e podem ser analisados e adaptados por elas.

O mesmo não ocorre com os fatores externos. Oportunidades e ameaças estão ligadas ao mercado, concorrentes, fornecedores e até o macroambiente.

Afinal até mesmo aspectos políticos, econômicos, sociais e culturais podem influenciar positivamente ou negativamente os negócios.

O resultado da análise dos fatores internos e externos é uma matriz 2x2. Chamada Matriz SWOT, ela divide os quatro pontos de análise entre fatores internos e externos, positivos e negativos.

Portanto, a sua observação, para dentro e para fora da empresa ou projeto, permite a obtenção de um panorama completo dos fatores que podem influenciar no desempenho de um projeto.

Desse modo, ela pode ser usada tanto para o lançamento de um novo modelo de escada metálica caracol, entre outros tipos de produtos ou serviços.

Para que serve a Análise SWOT?

A análise SWOT é uma etapa importante no planejamento de diferentes tipos de projetos, ajudando para uma implantação mais segura, com estratégias e mais chances de sobreviver ao mercado competitivo.

Geralmente, ela é usada por empresas que estão iniciando em seus segmentos de atuação, prevendo lançamentos ou entrando em novos mercados, como uma fabricante de filtro de manga industrial que esteja optando por confeccionar filtros de água, por exemplo.

Entretanto, ela pode ser usada em basicamente qualquer tipo de planejamento e até mesmo no desenvolvimento pessoal.

A análise SWOT sempre ajuda na tomada de decisões mais precisas. Isso ocorre independente do projeto em que ela é aplicada, por possibilitar um olhar mais a fundo sobre o negócio e a formulação de estratégias mais seguras. 

Em muitos casos, a matriz também é a responsável por apontar a possível inviabilidade de um projeto.

O olhar atento para o ambiente interno ajuda na identificação de fatores positivos que podem ser reforçados, mas que já indicam que a empresa está no caminho certo. 

Paralelamente, as fraquezas apontam para fatores que podem ser melhorados ou controlados para que o projeto alcance melhores resultados.

A atenção voltada ao ambiente externo facilita a percepção de uma grande variedade de aspectos que não podem ser diretamente controlados, mas que demandam a preparação da empresa.

Já o estudo das oportunidades pode gerar ideias que os empreendedores não haviam percebido antes. 

Um exemplo é a possibilidade de oferecer a instalação de pavimentação intertravada de blocos de concreto, ao invés de vender o produto e indicar um técnico instalador.

Quanto às ameaças externas, a análise ajuda as empresas a se prepararem para evitar grandes prejuízos aos projetos, com estratégias especiais.

Quem deve fazer a Análise SWOT?

A Análise SWOT não apenas cabe aos gestores de projetos. Até porque, as pessoas que mais conhecem a empresa e o funcionamento dos seus processos internos e externos são os colaboradores, que vivem a realidade do negócio em suas rotinas.

Por isso, uma caldeiraria tubulação industrial será mais rica se integrar toda a equipe, levantando coletivamente as informações. 

Desta forma, todas as pessoas que estão envolvidas nas atividades empresariais podem contribuir com as suas experiências e opiniões.

É importante que os profissionais de todos os departamentos possam relatar as vantagens e desafios que encontram no trabalho, enquanto os gestores contribuem com uma visão mais global do empreendimento.

Com relação à gestão de pessoas, a participação ativa no processo também fortalece a relação entre os colaboradores e a empresa, incentivando o comprometimento com os resultados dos projetos.

Como fazer uma Análise SWOT?

A aplicação da Análise SWOT é tão popular por ser bastante fácil. Contudo, um passo a passo simplificado seria:

  1. Fazer um brainstorm com a equipe;
  2. Analisar os fatores internos;
  3. Analisar os fatores externos;
  4. Montar a Matriz SWOT;
  5. Avaliar a viabilidade do projeto;
  6. Transformar a análise SWOT em estratégias.

1. Fazer um brainstorm com a equipe

Na fase no brainstorm, a ideia é que o levantamento de percepções sobre o projeto seja ágil e realista, levando em conta como é o dia a dia na fabricante de grupo gerador de 30kva, ou outro segmento.

Depois, as questões podem ser mais aprofundadas em pesquisas e ações de marketing ou gestão.

2. Analisar os fatores internos

A análise começa com o olhar para dentro. Por isso, as duas primeiras letras da sigla FOFA são Forças e Fraquezas. 

Se a análise identificar problemas com a segurança do prédio, deve ser verificada a situação e possibilidade de retirada de um laudo AVCB bombeiros, ou outras precauções.

Além disso, forças ou fraquezas podem colocar a empresa em vantagem ou desvantagem com relação à concorrência. Por esse motivo também, ela demanda atenção às outras empresas no mesmo mercado de atuação.

Entre forças e fraquezas que podem ser analisados temos: localização, tempo de mercado, reputação da empresa, recursos humanos e financeiros, marketing, gestão, capacidade de operação, facilidade de acesso à matéria-prima e equipamentos, etc.

3. Analisar os fatores externos

Os fatores externos não são controláveis pelas ações de uma empresa fabricante de motor RCG, por exemplo. Mas a identificação permite o estudo de como esses aspectos podem impactar os negócios e a melhor maneira de lidar com eles.

Parece lógico que as empresas mais atentas aos movimentos do mercado estejam mais bem preparadas, identificando tendências e se preparando para elas. Por isso é válido analisar micro e macroambiente, estudando o setor e além dele.

4. Montar a Matriz SWOT

Depois do brainstorm, levantando todas as questões envolvidas, a Matriz SWOT resume com objetividade os dados necessários para o planejamento estratégico.

O ideal é evitar matrizes muito longas, selecionando apenas os tópicos mais relevantes e escrevendo de forma concisa. 

Os tópicos também devem ser organizados por relevância, priorizando o que tem impacto direto no projeto.

A matriz, com os quatro quadrantes, ajuda na visualização clara e objetiva das informações, facilitando o cruzamento e transformação em estratégias.

5. Avaliar a viabilidade do projeto

A Matriz SWOT facilita algumas conclusões importantes, como a viabilidade de um projeto de lançamento de um modelo novo de cinta de lixa, ou outras espécies de produtos.

Diversas vezes a matriz serve como um alerta de que uma ideia não está pronta ou tem algum detalhe atrapalhando o seu desenvolvimento.

No caso de problemas internos, sempre vale a pena conferir a possibilidade de adotar medidas de melhorias. Mas quando os empecilhos são externos, pode ser um pouco mais difícil.

6. Transformar a análise SWOT em estratégias

No caso de projetos viáveis, a análise SWOT deve ser transformada em ações práticas, traçando estratégias partindo das informações levantadas. 

De uma maneira geral, é válido dizer que:

  1. Forças devem ser potencializadas;
  2. Fraquezas devem ser controladas;
  3. Oportunidades devem ser aproveitadas;
  4. Ameaças devem ser minimizadas.

Isso pode ser feito com o cruzamento da Matriz SWOT, relacionando os quadrantes para atingir os objetivos da empresa da melhor forma possível.

Ao final, é fundamental aproveitar essa ferramenta para conhecer o próprio empreendimento e as suas potencialidades, sempre envolvendo os seus colaboradores. 

Deste modo, a Análise SWOT pode ser uma grande aliada no planejamento de diversos tipos de projetos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.